(11) 3090-7535 / (27) 3262-0877 comercial@villetarget.com

Que tal colocar um pouco de ciência nas suas ações de marketing digital? Pode ser uma receita que melhore bastante o desempenho do seu negócio. Aqui, estamos falando de aplicar o neuromarketing na internet.

Mas vamos por partes. A neurociência estuda, basicamente, meios de provocar estímulos cerebrais. Ao usá-la em suas campanhas de marketing, você consegue motivar o consumidor a se decidir por adquirir um produto ou serviço, mesmo que ele não seja de extrema necessidade naquele momento.

É mais ou menos como se você “entrasse na mente” do cliente, despertando as motivações que o levam a consumir o que você está oferecendo. A propósito, o dinamarquês Martin Lindstrom, especialista no assunto, afirma que 85% das compras são decididas pelo subconsciente.

Um exemplo concreto é as cores do McDonald’s. Após muitos estudos, descobriu-se que o vermelho é uma cor que desperta apetite. Por sua vez, o amarelo gera ansiedade. Ao avistar, de longe uma unidade da lanchonete, uma pessoa pode ser convencida a entrar nela para comer, mesmo que não tivesse planejado antes.

No entanto, é possível usar essa técnica também em suas campanhas digitais. Ficou interessado em descobrir como utilizar o neuromarketing na internet? Então acompanhe o texto a seguir:

Storytelling: a conquista através de histórias

De acordo com o neuromarketing, contar histórias ajuda a criar uma relação entre o seu produto e o cliente. Aqui, o lado emocional fala mais alto.

Mas não se trata simplesmente de recorrer ao apelativo. Você pode desenvolver uma narrativa básica, que exemplifique a vida real. Ela deve ter um enredo, protagonista, antagonista (uma espécie de vilão), um conflito e o final feliz. Este último tem de estar relacionado ao que sua empresa oferece para garantir uma conexão eficiente com o cliente.

neuromarketing na internet storytelling

Chamada de storytelling, essa abordagem é bem eficiente. Ela precisa criar ainda uma frase para ser lembrada e despertar o interesse na aquisição do produto. Caso o meio seja a internet, é essencial que você não se estenda muito, ok?

Então, você pode contar pequenas histórias em vídeos e publicá-las em suas redes sociais aos poucos. É possível que essa ação gere bastante engajamento.

E para não esquecer de publicar a continuação da história, recomenda-se deixar tudo programado. Daí a necessidade de contar com uma ferramenta que faz o agendamento de posts nas redes sociais.

Explore os sentidos humanos

Audição, visão, tato, olfato e paladar. O estímulo aos sentidos humanos tem forte motivador e mexe com o irracional. Com o advento da internet, explorar essa tipo de abordagem se torna bem mais fácil.

Já imaginou o que acontece com a gente quando ouvimos o barulho de uma latinha sendo aberta? A gente até engole seco, imaginando tomar uma bebida refrescante. Pois é esse tipo de reação que o estímulo aos sentidos deve provocar.

O tamanho da experiência sensorial deve ditar o tamanho de seu impacto. Quando ilustrar uma landing page com uma imagem de seu produto, você pode explorar isso. Por exemplo, quando o usuário clica em uma imagem, ele escuta um áudio provocativo. Quem disse que não dá para usar o neuromarketing na internet?

O contraste de preços

Essa prática é inspirada no estímulo visual, mas também passa uma mensagem bastante instigante para o inconsciente. Quando são apresentadas a um produto mais caro, as pessoas ficam mais propensas a comprar o produto semelhante que vem em seguida com uma valor mais barato.

neuromarketing na internet contraste de preço

Diante dessa constatação identificada por estudos, fica dica: na sua loja virtual, ofereça uma opção mais barata ao lado de outras mais caras. As chances de vendas ficam garantidas, tanto para quem se preocupa com o valor, quanto para quem não se preocupa.

Use o “você” para que ele se sinta único

Sua mensagem acaba sendo melhor captada também quando o cérebro do consumidor tem a sensação de que o recado é direcionado especificamente para ele. Aliás, colocar o termo “Você” no título de suas campanhas é uma das boas práticas no envio de email marketing.

Portanto, ser bem específico nas suas mensagens é mais uma forma de aplicar o neuromarketing na internet. Assim, o cliente percebe que aquele produto é feito para ele. Se conseguir fazer isso, não só ele como você também devem se dar bem.

A propósito, vale a pena utilizar testes A/B. Você pode encaminhar uma mensagem genérica para metade de seus contatos. Para a outra metade, seja bem específico em sua mensagem. Como o ville Target disponibiliza métricas de email marketing, você consegue ver qual tipo de mensagem deu mais resultado.

O senso de urgência

A parte irracional do cérebro também pode ser estimulada com o uso de frases que deem a impressão de que o usuário pode perder aquele produto se não adquiri-lo logo. Essa abordagem de neuromarketing é bastante utilizada, não por acaso.

neuromarketing na internet senso de urgência

Expressões como “restam apenas algumas unidades”, “adquira hoje mesmo” e “não perca essa oportunidade” são alguns exemplos. Elas têm a capacidade de acelerar a mente do consumidor no sentido de incentivá-lo a comprar. Aliás, o senso de urgência funciona muito bem para criar Call to Action eficiente.

Imagine, então, o que você pode sentir quando estiver visualizando um produto em um site e aparecer a mensagem de que um número X de pessoas está visualizando o mesmo produto. Subitamente, deve passar pela sua cabeça o risco de que eles vão comprar o que pode ser seu. É assim que funciona o senso de urgência.

Viu como é possível aplicar o neuromarketing na internet? Agora, mãos à obra!

Posts relacionados